Legendas, para que te quero?

É muito difícil que alguém nunca tenha se deparado com uma legenda de filme ou programa na vida. É bem verdade que os iletrados ou os fanáticos por televisão poucas vezes irão utilizá-las, os primeiros por lhes faltar a habilidade para ler, os segundos, por pura preguiça mental, sujeitando-se a engolir o que quer que a programação da telinha lhes ofereça.

Já para os frequentadores dos cinemas, é uma outra história. A imensa maioria dos filmes que passam em nossas salas são oriundos de Hollywood, e, a não ser os blockbusters, mantêm o áudio original, geralmente em inglês, e portam as legendas em português.

Para a minha geração – hoje tenho 61 anos – a legenda era uma opção, digamos, obrigatória. Como a televisão era coisa de ricos, e o cinema ainda era “a melhor diversão”, o grande entretenimento era mesmo a programação da telona, o que explicava a presença de uma ou mais salas em qualquer cidade, mesmo no interior da Paraíba, onde passei a minha infância.

Os filmes dublados – para o cinema – eram raros. Se não fosse uma produção nacional, as exceções ficavam por conta de raros desenhos animados ou algum clássico tipo “Ben-Hur” ou “Rei dos Reis”. A esmagadora maioria dos filmes eram produções estrangeiras, americanas ou europeias, todas cuidadosamente legendadas.

A televisão quebrou muito este paradigma, a partir da sua expansão, notadamente na década de 1970, quando as redes Tupy e Globo, posteriormente, difundiram a sua programação pelo país, incluído aí os filmes, sempre dublados.

Com o advento do videocassete, criou-se uma situação estranha. Todos os filmes eram lançados em duas versões, uma dublada em português e a outra com o áudio original, a versão legendada. Imaginem a minha frustração ao chegar à locadora e deparar com um filme há muito desejado, e descobrir que só havia a opção dublada!

Posteriormente, com o lançamento do DVD, parecia que o céu se abrira para o usuário doméstico. Além de não precisar rebobinar a fita, o disco prateado permitia escolher o áudio e a legenda que se desejasse. Era a solução para gregos e troianos, a democracia eletrônica para os amantes de cinema. Mas, como nem tudo é perfeito, nem todos os filmes eram lançados com a dublagem em português, e os discos comprados no exterior raramente tinham as legendas tupiniquim. Mais uma vez, alguém ficava insatisfeito.

Novas ondas de evolução passaram, os cinemas se elitizaram, e o DVD pirata reinou absoluto por um bom tempo, pouco afetado pela chegada do blu-ray. Mas, um novo meio de transmissão de filmes chegou, graças ao aumento de velocidade na internet. Os programas de troca de arquivo torrent possibilitaram o acesso a filmes de todos os cantos do planeta, muitos deles poucas horas após terem sido lançados.

Quando um filme destes é colocado na rede, pode ter sido por uma cópia dentro de uma sala de cinema – o que garante uma imagem péssima e som praticamente inaudível – ou de um lançamento em DVD ou Blu-Ray. Este processo é chamado “ripar”, termo que vem do inglês rip, que significa rasgar ou arrancar. O sentido é esse mesmo, na prática se faz uma cópia digital, geralmente em um arquivo de vídeo, para poder assistir no computador, nos aparelhos de DVD e blu-ray, smart TV e até mesmo em tabletes e smartphones.

Ao ripar um DVD nacional, o cidadão pode fazer uma cópia também das legendas. Ao fazer isso, ele criará um arquivo para cada idioma de legenda. Existem vários formatos de arquivos de legendas, o mais comum é o de extensão SRT, que vem do inglês SubRip Subtitle. Este arquivo nada mais é do que um arquivo texto, com a linha de cada fala, o tempo de início e de final da mesma.

Como essa troca de arquivos de filmes é um passatempo mundial, e os títulos disponibilizados podem vir de lugares como Coréia do Sul, Turquia, Romênia, etc., nem sempre existem legendas em português para eles.

Esse problema é resolvido como a maioria das coisas na internet hoje em dia: alguém faz e disponibiliza para os demais usuários. Existem sites na internet onde é possível encontrar legendas para os mais diversos filmes e seriados, e muitas dessas legendas não são ripadas de DVD ou Blu-Ray, mas sim criadas por pessoas normais, como eu e você, caro leitor.

Pesquisando na internet descobri filmes antigos e raros, para os quais algum cidadão se deu ao trabalho de pesquisar e montar as legendas, oferecendo-as depois, para o mundo, a troco de absolutamente nada – ou do simples prazer de fazê-las.

Curioso sobre esse novo mundo, procurei saber as origens dessas legendas. Além das que são ripadas de discos, muitas delas são traduzidas a partir de uma legenda em outra língua, e, em alguns casos, a tradução é feita a partir do áudio original, o que é um processo muito, muito mais difícil.

Decidido a fazer uma experiência, procurei um filme que não tivesse nenhuma legenda em português. O escolhido foi “Conto de Outono”, uma produção francesa de 1998, do diretor Eric Rohmer, que jamais havia sido lançado no Brasil em DVD – e dificilmente o será.

Dispondo de uma legenda em inglês e outra em francês, fui traduzindo, linha por linha, num trabalho que levou uma semana, já que era feito nas horas vagas. Ao cabo do trabalho, fui testar o resultado, e tive uma certa decepção, pois a legenda estava fora de sincronismo.

Com um pouco mais de pesquisa, descobri um programa que conseguia corrigir o sincronismo. Na verdade existem duas maneiras de ajustar a legenda ao momento correto do filme. O mais simples é quando precisamos apenas adiantar ou atrasar a legenda, arrastando todo o conjunto alguns segundos para frente ou para trás.

Mas, o mais complicado é quando a legenda foi feita para uma versão com um tempo maior ou menor. Para corrigir isso, é preciso estreitar ou aumentar o tempo entre as legendas, para chegar ao sincronismo perfeito. Com um pouco de prática, e uma legenda no tempo correto, esse ajuste é feito em segundos.

Ao final de tudo, além da sensação de ter feito algo diferente, resta apenas a certeza de que aquela legenda irá facilitar a vida de alguém, em algum lugar do mundo, que queira assistir o filme com os dizeres em português.

É bom salientar que, ao fazer uma legenda, não se está fazendo uma atividade pirata ou ilegal. Mais que tudo, é um belo exercício de prática de língua estrangeira, onde se trabalha quase sempre com linguagem oral e cotidiana. Essas legendas fazem mais pela universalização do cinema do que qualquer programa governamental ou internacional. Além do mais, para alguém que tenha deficiência auditiva, a legenda é algo obrigatório!

O fato da legenda ser feita por pessoas não profissionais não quer dizer que seja algo malfeito. Afinal de contas, já verifiquei muitas legendas – profissionais – em VHS ou DVD com erros absurdos, traduzindo world (mundo) por word (palavra), ou dizendo “Você está queimando!”, quando o cidadão era despedido com um sonoro “You are fired”…

Hoje em dia, a universalização de serviços como Netflix e similares já permite um maior acesso a filmes dublados ou legendados com boa qualidade, embora a oferta tenha limitações. Contudo, a comodidade de não precisar comprar ou alugar um disco físico, ou mesmo baixar da internet já deixa muita gente feliz.