Oscar 2019: Conheça os indicados a melhor curta de animação

Os indicados a categoria de melhor curta de animação do Oscar 2019 demonstram uma inclinação da Academia por histórias emotivas sobre família.

Quatro dos cinco indicados são dramas que emocionam e podem até mesmo arrancar algumas lágrimas. E diferentemente da categoria de animação (longa-metragem), geralmente dominada pelos filmes 3D, esses curtas têm designs completamente diferentes entre si, e conseguem combinar estilo com narrativa.

Como alguns dos indicados estão disponíveis online, vale a pena aproveitar esse momento para conhecê-los e lembrar que, no cinema, tamanho não é mesmo documento.

Bao

Bao é um curta produzido pela Pixar, lançado em conjunto com Os Incríveis 2, e tem mesmo aquela carinha do estúdio.

O que surpreende no filme, no entanto, é a presença de elementos um tanto insólitos que quebram um pouco a meiguice esperada na obra.

Seu título refere-se a um jogo de palavras: Bao pode significar tanto bebê como também uma espécie de bolinho chinês (também conhecido como Baozi).

Este é o primeiro curta da Pixar a ser dirigido por uma mulher, a cineasta Domee Shi, que trabalhou como animadora em Divertida mente e Os Incríveis 2.

É um filme que consegue gerar aquela curiosidade de ver como a história vai acabar e é capaz de surpreender nos momentos certos.

O curta traz uma narrativa sobre valores familiares, bem sentimental e de acordo com o discurso da Disney. O favoritismo nessa categoria geralmente é de um filme da Pixar, por isso Bao deve ser o provável vencedor.

Nota: ⅘

One Small Step

O Primeiro Homem foi um longa ignorado pelo prêmio da academia mas, em uma engraçada coincidência, One Small Step conta uma história similar, embora sem a mesma intenção biográfica.

Traçando um bonito paralelo entre o crescimento de uma jovem que deseja ser astronauta e o trabalho do pai dela como sapateiro, o curta mostra como o apoio da família em cada passo de uma trajetória é fundamental.

O filme consegue fazer uma bela metáfora, que se completa com a referência no seu título à célebre frase do astronauta Neil Armstrong “um pequeno passo para o homem, um salto gigantesco para a humanidade” (One Small Step significa “um pequeno passo” em português).

Como Bao, o filme também mostra uma família com raízes chinesas e traz igualmente uma mensagem sobre a importância da unidade familiar.

Nota: ⅘

Late afternoon

Um filme poético e extremamente melancólico, Late Afternoon mergulha na mente confusa de uma idosa, cujas memórias, afetadas provavelmente pela doença de Alzheimer, se misturam entre diferentes fases de sua vida.

Recortes de objetos e cores servem para despertar pedaços de recordações da protagonista, em um recurso visual criativo e ao mesmo tempo sensível.

O uso de cores e formas dão uma beleza poética ao curta, que busca equilibrar o sentimento de tristeza e desamparo com a ideia de que ainda existem momentos breves, nem que seja em um fim de tarde, que dão sentido à vida.  

Nota: ⅘

Animal Behaviour

A única comédia entre os indicados e único que saiu da dinâmica de relacionamentos familiares, este curta usa animais para representar comportamentos compulsivos de seres humanos.

O homem muitas vezes esquece que ele também é um animal e às vezes pode agir como um bicho, e o filme faz graça em torno dessa ideia.

Assim, na história, um grupo de animais realizam terapia em grupo na qual discutem problemas como acessos de raiva, dificuldade de separação, infâncias traumáticas e relacionamentos abusivos.

Em um toque engraçado, o terapeuta no curta é um cachorro, simpático e bem disposto a ajudar a todos. É um filme divertido que pode mostrar quais animais habitam dentro de nós mesmos.

Nota: ⅘

Weekends

O meu favorito entre os indicados, Weekends é uma animação em 2D sobre a rotina de um menino cujos pais acabaram de se separar. Os Weekends, ou finais de semana em português, são os dias em que o garoto vai ficar com seu pai.

Sentimentos como solidão, confusão, tristeza, aparecem sob o ponto de vista da criança e são brilhantemente retratados.

O estilo da animação combina de modo perfeito com o estado emocional de seu personagem, e as linhas um pouco indefinidas fazem com que muitas cenas parecem verdadeiras memórias retiradas da mente de um menino.

As sequências de sonho e pesadelos dão um ar onírico ao filme e ilustram a dimensão dos sentimentos do garotinho, resultando em um curta extremamente emotivo sem ser em momento algum apelativo. 

Nota: ⅘