Representatividade da China no mercado chama atenção da indústria cinematográfica

O mercado chinês é cada vez mais importante no contexto da indústria cinematográfica mundial. Foi-se o tempo em que um filme bastava mandar bem nos EUA para se tornar rentável. Com os altos custos dos blockbusters, os filmes comerciais precisam navegar mares bem além das terras ianques. Por isso, as produtoras precisam estar bem atentas ao que leva o público da China aos cinemas.

A franquia Star Wars sabe bem da representatividade chinesa na fatura final. O filme ainda está a uma galáxia de distância de conquistar uma fatia mais generosa nesse mercado. Lançado em 2015, O Despertar da Força superou os 2 bilhões nas bilheterias mundiais, mas poderia ir bem além. Os U$S 124 milhões arrecadados na China ficaram abaixo das expectativas. Já Os Últimos Jedi (2017) levou um verdadeiro tombo ao arrecadar U$S 42 milhões, um terço do seu antecessor.

Operation Red Sea vem fazendo boa arrecadação em 2018

Exemplo de um filme que teve um rendimento pífio e se recuperou na China foi Warcraft (2016). Com custos na faixa dos U$S 160 milhões, o resultado nos EUA (U$S 47 milhões) foi decepcionante, mas o resultado final foi de  U$S 433 milhões dos quais U$S 213 milhões vieram do mercado chinês, animando os executivos da Universal. Só para dimensionar, no Brasil, que também é um mercado importante, o filme fez U$S 5,8 milhões.

A discussão sobre a importância da China para o mercado de cinema no mundo vem à tona com a estreia de Pantera Negra por aquelas bandas. Com U$S 930 milhões já computados nos cofrinhos, as projeções indicam que esse número deve dar um salto considerável com as bilheterias chinesas e japonesas, neste final de semana.

Bilheterias chinesas projetam filmes locais e se consolidam entre as dez maiores arrecadações de 2018

O filme entrará no seleto grupo de bilionários do cinema com fôlego para ir além, quem sabe superar os números de Vingadores: Era de Ultron (2015), que atingiu a marca de U$S 1,4 bilhão arrecadados.

Se o mercado internacional está de olho na China, as produções locais estão levando verdadeiras multidões aos cinemas. Os números são impressionantes. Das dez maiores arrecadações em 2018, até agora, quatro tem origem chinesa: Detective Chinatown 2 (U$S 493 milhões), Operation Red Sea (U$S 470 milhões), Monster Hunt 2 (U$S 343 milhões) e The Monkey King 3 (US$ 112 milhões). Detalhe: essas são apenas as bilheterias computadas na China.

Franquia chinesa: Detective Chinatown 2 só perde para Pantera Negra na arrecadação mundial

No ano passado, Wolf Warrior 2 já havia despertado essa premissa ao se tornar a sétima maior bilheteria de 2017. Com U$S 870 milhões de dólares arrecadados, mais de 90% desse valor em solo chinês.

Aliás, esse é um detalhe que é importante frisar: apesar das altas cifras, os filmes chineses não possuem tanta repercussão nos outros mercados. Wolf Warrior 2, por exemplo, só foi lançado na Austrália, Nova Zelândia, Tailândia, Emirados Árabes e Reino Unido. Isso indica que, apesar de ser um mercado poderoso, as produções da China ainda não alcançam popularidade mundial.

Contudo, levando-se em consideração as avaliações econômicas, é possível imaginar que cada vez mais os filmes possuam referências orientais, sobretudo as originárias da China. Conquistar esse mercado hoje é fundamental para que uma produção comercial não tenha sua rentabilidade comprometida e possa construir uma boa carreira internacional.