Pular para o conteúdo

Ânimos à flor da pele

O Animal Cordial(Friendly Beast)

Classificação: 18 anos

Estréia: 2018

Genêro: Suspense

Nacionalidade: Brasil

Duração: 1h36min

Nota do crítico

Crítica

O Animal Cordial é uma metáfora incisiva sobre o status quo de um ambiente social que disfarça suas chagas sob os véus de uma aparente normalidade estando à espreita de um catalisador para expor suas mais internas angústias.

Conduzida pela cineasta Gabriela Amaral, a trama se passa em um restaurante em fim de expediente, invadido por dois homens que praticam um assalto. A narrativa mostra a forma como patrões, empregados e clientes reagem a essa circunstância e afloram antigos preconceitos e amarguras reprimidas. É o cotidiano que se modifica a partir de um suspense crescente que se torna terror, embalado por uma contundente crítica social.

O Animal Cordial é um thriller tenso com um desfecho obscuro

No filme, Murilo Benício interpreta Inácio, proprietário do local onde a história se passa. Há uma nítida tensão entre ele e seus funcionários, principalmente com Djair (Irandhir Santos), cozinheiro homossexual que não teme em lutar pelos seus direitos ou defender seus colegas diante do que considera exageros. O roubo e suas consequências manifestam a crise velada entre Inácio, Djair e os outros personagens que habitam esse microcosmos.

A trajetória emocional da garçonete Sara (Luciana Paes) também é um espiral de camadas de dependência emocional e desejo de mudar de vida, em um tipo de submissão que quer a todo custo se libertar. Há algo de selvagem, até animalesco, na relação dela com Inácio, em cenas visualmente fortes.

O filme revela hostilidades que se escondem por trás da hipocrisia social

A diretora descreve a mudança no tom da história em três momentos díspares, em que o protagonista contempla seu reflexo no espelho. De um homem que procura manter as aparências para sustentar seu negócio; passando pela mudança de seu semblante após o assalto; e escancarando o seu “eu” interior, diante do objeto partido. É essa transformação que acalora o temperamento que o filme quer imprimir.

Por se passar todo nas dependências do restaurante, o longa é claustrofóbico. A trilha sonora pertinente ressalta a crise ali constituída que se expressa através da violência física, em meio a diálogos banais, perpetrada pelas relações de poder estabelecidas com predominância patriarcal. Por fim, O Animal Cordial é uma fábula gore com um desfecho bestial que não titubeia em causar incômodo.

Notas

Média