Pular para o conteúdo

Minha Vida em Marte: uma comédia que faz rir, mas não empolga

Minha Vida em Marte()

Genêro: Comédia

Nacionalidade: Brasileira

Nota do crítico

Crítica

Minha Vida em Marte, estreia de Suzana Garcia em uma direção cinematográfica, é mais uma comédia genérica lançada durante as férias para atrair toda a família brasileira. Tem muitos pontos problemáticos: um roteiro previsível, atuações medianas, personagens carentes de desenvolvimento e alguns pontos narrativamente pouco sustentados. Mas verdade seja dita, ele funciona. O carisma de Paulo Gustavo interpretando o amigo gay Aníbal, uma versão mais enxuta da Dona Hermínia de Minha mãe é uma peça, demarca o ritmo do filme com sua perceptível espontaneidade diante das câmeras, ao ponto de sustentar o morno protagonismo de Mônica Martelli como Fernanda Garcia, uma mulher em crise na faixa dos quarenta anos.

Enquanto em Os homens são de marte… e é pra lá que eu vou (Marcus Baldini, 2014), Fernanda é uma bem sucedida profissional à procura (desesperada) de um casamento, Minha vida em Marte sugere a reavaliação da própria personagem durante seus anos de casamento com Tom (Marcus Palmeiras), no dilema entre salvá-lo ou abandoná-lo de vez. No processo, afloram desafios, surpresas e viagens – sim, porque as comédias nacionais adoram um tráfego aéreo -, ressignificando com isso o famoso happy end da narrativa clássica.

Como mérito, trata-se da direção de uma mulher que coloca o feminino como protagonismo, uma vez que o filme enaltece a autodescoberta da personagem, versando sobre retomar as rédeas da própria vida e a real importância de uma grande amizade, o ponto alto da trama. Ainda assim, a maior carência da produção encontra-se em um roteiro frouxo e talhado fundamentalmente ao redor do relacionamento amoroso, como se não houvesse complexidade o suficiente ou nada mais interessante a se dizer sobre uma mulher – que, no caso, parece ter a insegurança típica de alguém na casa dos vinte. Ainda assim, faz rir. Embora não empolgue, cinematograficamente falando, nem mesmo para os padrões do gênero.

Notas

Média