Pular para o conteúdo

Parasita é drama, suspense e comédia sobre a desigualdade

Parasita(Parasite)

Classificação: 16 anos

Estréia: 7 de novembro de 2019

Genêro: Comédia, drama, suspense

Nacionalidade: Coréia do Sul

Duração: 2h 12min

Nota do crítico

Crítica

Parasita é uma história sem mocinhos e vilões, e essa é uma das muitas qualidades que fazem esse filme sul-coreano ser tão fascinante.

Tudo no longa parece milimetricamente calculado porque tudo funciona bem: a fotografia, o roteiro, a direção; e percebe-se como esses elementos foram usados para contar a história da forma mais clara e rica possível. 

Até mesmo o tema do filme é perfeito para 2019 e parece ter sido escolhido de propósito para combinar com o clima atual do mundo, que vem fervendo com protestos em diversos países como Líbano, Espanha, Chile, Bolívia…

A trama inteira Parasita gira em torno de um tema, a desigualdade social. 

O retrato de duas famílias em situações completamente díspares

No entanto, o diretor Bong Joon Ho não é um estranho quando se trata de falar sobre temas políticos, ele já fez isso em filmes como Expresso do Amanhã (2013) e O Hospedeiro (2006).

Mas se engana quem pensa que, por isso, irá assistir a um longa proselitista. 

Parasita conta a história de uma família pobre que, um por um, conseguem empregos na casa de pessoas ricas por meios, digamos, pouco éticos. 

Desde o início o longa chama atenção para a desigualdade entre essas duas famílias. Uma, mora em uma espécie de semi-porão, quase embaixo da terra, enquanto a outra, vive em uma casa luxuosa, no alto, em um lugar ensolarado. 

Além das diferenças óbvias, a divisão entre ricos e pobres também é mostrada mais sutilmente. Fique atento e você poderá perceber como o filme cria “divisórias” entre seus personagens a depender da situação em que eles se encontram.

A empregada cruza a “linha” que a separa de sua patroa

Parasita também faz isso através da iluminação (quando a casa da família rica aparece pela primeira vez ela está banhada de sol), dos ângulos de câmera e até nos diálogos (um dos personagens fala sempre em “cruzar a linha”). 

Isso sem falar que o longa navega entre a comédia, suspense e drama, conduzindo a história para um terceiro ato completamente inesperado e eletrizante.

O filme está repleto de temas e metáforas que ecoam pela narrativa. A mais óbvia é a do título, “parasita”.

Durante boa parte do longa podemos pensar que a família mais pobre são os parasitas ao qual o título de refere. Em uma cena eles chegam a se esconder e rastejar como insetos.

No entanto, quando chegamos ao final do filme, fica a dúvida de  quem é realmente o parasita da história. 

Os pobres que se alimentam das migalhas dos privilegiados, ou os ricos que sugam o trabalho deles? E o melhor de Parasita é que ele não dá a resposta, fica ao critério do espectador tirar suas próprias conclusões.

Notas

Média