Pular para o conteúdo

Vendem-se princesas

Troca de Rainhas(L'échange des Princesses)

Classificação: 14 anos

Genêro: Drama

Nacionalidade: França

Duração: 1h40min

Nota do crítico

Crítica

Troca de Rainhas traz um episódio pouco conhecido na história da França como mote para sua trama: a substituição das princesas da França e da Espanha para se casarem com os futuros reis de cada país e selarem a paz entre os dois reinos. Com roteiro baseado no romance homônimo escrito por Chantal Thomas (2013), a obra passeia pelo evento histórico sem entrar em muitos detalhes, apenas contando de maneira superficial essa fase da história da França no século XVIII.

A pequena Mariana Victoria chega à França para desposar o jovem rei Louis XV.

Com poucos filmes no currículo, Marc Dugain fez uma obra didática que prima pela beleza, mas sem grandes inovações em relação a outros filmes do mesmo estilo. A direção optou por mostrar de maneira equilibrada e alternada a vida de cada princesa em seu determinado novo lar, enfatizando a diferença de personalidade entre as duas. Importante frisar como característica positiva do longa-metragem colocar em evidência os danos causados pelos casamentos arranjados, frutos dos jogos de interesses tão em voga nas monarquias europeias daquela época.

Destaque para as atuações do elenco jovem, principalmente das atrizes que interpretam as princesas: a pequena Juliane Lepoureau, que confere um ar angelical e puro à sua personagem, ao mesmo tempo em que transmite surpreendente firmeza a uma menina de apenas quatro anos que já possui consciência – apesar de um pouco romanceada – e senso de responsabilidade em face às obrigações que terá de assumir. Já Anamaria Vartolomei consegue captar bem a essência de Louise, a Mademoiselle de Montpensier. Na contramão, ela se mostra rebelde, indisciplinada e imatura, a despeito de, por ter alguns anos a mais do que a pequena Mariana, se esperasse dela, não conformismo, mas, pelo menos, mais maturidade frente à situação.

A vida na corte espanhola nunca mais será a mesma com a chegada de Mademoiselle de Montpensier

Os pontos altos do filme são, sem dúvida, o figurino elaborado por Fabio Perrone e a direção de arte da dupla Patrick Dechesne e Alain-Pascal Housiaux, quesitos técnicos que costumam se sobressair em filmes épicos. Ambos são de encher os olhos, dignos de grandes produções hollywoodianas. Também merece elogios a bela fotografia Monica Coleman, que prima pela delicadeza. Os três elementos conferem não só imponência, como credibilidade à obra no que concerne à reconstrução de época.

Troca de Rainhas é um filme correto que tem como maiores méritos o deleite visual que proporciona à plateia e o papel informativo ao apresentar para o público essa parte oculta da cronologia francesa que, embora não tenha tido grande notoriedade, vale a pena ser conhecida.

A última oportunidade de assistir ao filme Troca de Rainhas – que faz parte do Festival Varilux de Cinema Francês 2018 – será quarta-feira, 13 de junho, às 20h, na Cinépolis Natal Shopping.

Notas

Média