9ª edição do Festival Goiamum foca na acessibilidade no audiovisual

Um dos mais inventivos Festivais de Cinema do Rio Grande do Norte está de volta com foco na inclusão nos meios audiovisuais. Começa nesta quarta e se estende até domingo (10) a nona edição do Goiamum Audiovisual, com uma programação que contempla debates, oficinas, encontros, lançamento de livro, artes visuais e muita mostra de curtas nacionais e potiguares que inclui pré-estreias e lançamentos.

O evento que contempla cerca de 80 produções audiovisuais é gratuito e realizado majoritariamente nas instalações do Solar Bela Vista, com algumas atividades como o Seminário Acessibilidade no Audiovisual no auditório do SESC Natal Cidade Alta e oficina “Cinema de uma Pessoa Só” (ministrado pelo cineasta por Gustavo Spolidoro) no Solar João Galvão.

Um cinema, vários sentidos

O senso comum, ao pensar em pessoas portadoras de necessidades especiais, costuma-se focar na ausência de um (ou vários) sentidos ao comparar com uma “pessoa normal”. Porém, não se considera que estes indivíduos possuem estratégias e meios de vida que garantem sobrepujar as dificuldades e criar novas formas de sentido. Uma das maneiras de abarcar os mais diversos modos de vida humana são as múltiplas possibilidades de se relacionar com as obras audiovisuais.

Na busca de se alinhar com as diretrizes de acessibilidade para portadores de necessidades especiais advindas da Lei Brasileira de Inclusão e das instruções normativas da ANCINE, a edição 2018 do Goiamum Audiovisual privilegia a discussão e apreciação de curtas-metragens que possuam audiodescrição (AD), Legendagem para Surdos e Ensurdecidos (LSE) e janelas com intérpretes de Libras, proporcionando a compreensão e apreciação de conteúdo audiovisual por surdos e deficientes visuais que compõem o público nestas exibições, além de exercer um primeiro contato aos ditos “normais” nestas outras maneiras de acesso.

O 9º Goiamum Audiovisual possui, dentre os outros curtas com acessibilidade na programação, a mostra “Cinema às Escuras – Mostra Erótica com Acessibilidade” a ser realizada no dia 07 de junho, das 18h30 às 19h no Solar Bela Vista. Idealizado por Andreza Nóbrega da VouVer Acessibilidade, a mostra demonstra a generosidade por trás da organização do Festival ao representar um aspecto tão relevante na vida humana que é a sexualidade. Ao dar acesso a um conteúdo que costuma estar cercado por tabus, a mostra demonstra um caráter exuberantemente democrático em sua abordagem.

Além dessa atuação direta no conteúdo audiovisual, o Festival promove o pensar do processo com o Seminário de Acessibilidade no Audiovisual, coordenado por Andrea Gurgel e com a presença de profissionais da área como Bell Machado, audiodescritora e Diretora da Quesst Consultoria/SP e Sorahia Segall, Chefe de Gabinete da Secretaria do Audiovisual/MINC.

Na sexta-feira acontece a pré-estreia do longa baiano “Tropykaos”, de Daniel Lisboa. No sábado será a vez do diretor conversar sobre sua obra. (Imagem: Divulgação / Goiamum)

Vários cinemas no mesmo sentido

Os diversos sentidos do cinema produzido no Brasil e no Rio Grande do Norte convergem no Festival Goiamum. “Levante e Lute!” (08 de junho a partir das 18h30 horas no Solar Bela Vista) e “Todo Poder ao Povo!” (08 de junho, 21h30) são duas mostras que busca discutir o direito democrático em tempos de crise política.

A “Mostra Dia Internacional da Animação”, “Mostra Desentoca”, “Curta Goiamum – Mostra Competitiva de Curtas Metragens de Natal” e “Mostra Panorama do Audiovisual Baiano” são apenas algumas das opções que o público poderá apreciar, mostrando a versatilidade do evento.

Todavia, uma sessão especial terá um peso histórico bastante significativo para o Rio Grande do Norte: a exibição do filme “Boi de Prata”. Filmado na cidade de Caicó nos anos 70, dirigido e roteirizado por Carlos Augusto Ribeiro Júnior, a obra apenas teve exibição em pré-lançamentos e festivais, sendo “esquecida” pela empresa estatal Embrafilme. Com uma programação que abarca debates, lançamento de livro sobre o filme e a exibição propriamente dita, “Boi de Prata” finalmente retorna a seu Estado.

 

“Programa Boi de Prata”: muito além da exibição do lendário filme potiguar. (Imagem: Divulgação / Goiamum)

 

Faz sentindo produzir cinema no Brasil?

Como é tradição no Festival juntamente com o apoio da Associação Brasileira de Documentaristas e Curtamentragistas do RN – ABDeC/RN e a primeira participação da Associação de Críticos de Cinema do RN – ACCiRN, os produtores audiovisuais poderão discutir as diversas maneiras de produzir cinema no Brasil.

Serão realizados a “Reunião da SAV com o Segmento Audiovisual”, “Encontro de Atores – Mercado, Preparação e Atuação” e “Debate Mercado”, entre outros encontros e debates, que além de trazer visibilidade aos profissionais do segmento, proporciona uma genuína troca de conhecimento acerca do mercado, demostrando que faz sentido a união destes agentes no fortalecimento do setor.

Para maiores informações e programação completa, acesse o site oficial do evento.