Easter eggs de Halloween (2018)

ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS

Uma das características mais curiosas da franquia Halloween é o uso de referências, estrategicamente plantadas em cenas-chave. Por exemplo, personagem assistindo O Monstro do Ártico (1951) na TV no primeiro filme (curiosamente, anos depois John Carpenter dirigiria o remake O Enigma de Outro Mundo).

Talvez por isso, o grande investimento em autorreferências, algo que o recém-lançado Halloween fez com criatividade e, claro, respeito à mitologia construída até então. O SetCenas lista abaixo os principais easter eggs do filme, um verdadeiro deleite para quem já acompanha de longa data as peripécias sangrentas de Michael Myers.

Logo na sequência de abertura do novo filme, uma abóbora murcha volta a se regenerar. A despeito das sugestões óbvias, o filme de 78 também inicia com uma abóbora sinistra em um fundo negro, símbolo supremo do Dia das Bruxas.

 

O tema clássico composto por Carpenter, aterrorizante, como não poderia deixar de ser diferente, é reaproveitado com arranjos diversos.

Brincando com expectativas, algumas inversões ocorrem em determinadas cena: no filme original, Laurie Strode olha pela janela da escola e vê Myers. No ato final, após cair da sacada do quarto, o corpo combalido do serial killer desaparece inesperadamente do gramado. No novo filme, os papeis são trocados e Laurie protagoniza uma reencenação das duas cenas.

Outra cena memorável do primeiro filme, com Laurie Strode se escondendo em um armário, também é replicada, embora não da mesma maneira. Agora armário é um lugar de medo, de onde a ameaça pode surgir a qualquer momento.

O Dr. Sam Loomis (o saudoso ator Donald Pleasence), um dos grandes personagens da franquia, é citado mais de uma vez, além de sua voz surgir em uma gravação inédita. Provavelmente o mesmo recurso de Halloween H20 – Vinte Anos Depois (1998), com um ator imitando a voz de Pleasence.

Tal como em Halloween 2 – O Pesadelo Continua (1981) e Halloween – Ressurreição (2002), Myers é derrotado quando é incendiado, ao final.

Halloween III: A Noite das Bruxas (1982), mesmo sem a presença de Michael Myers como mote do filme, também é lembrado. Crianças com máscaras de Dia das Bruxas podem ser vistas passeando pelas ruas.

A sequência do posto de gasolina, que aborda o fim dos documentaristas, é referência de dois outros capítulos: o quarto filme (1988), com o Dr. Loomis reencontrando Myers depois de anos, também num posto no meio da estrada, e novamente, Halloween H20 – Vinte Anos Depois, em uma cena que Myers rouba o carro de uma mãe e sua filha, acuadas em um banheiro.

A icônica máscara aparece envelhecida, e é encarada como uma parte indissociável do próprio Michael Myers. Tal qual como no remake de 2007 de Rob Zombie (imagem abaixo), ela tem sulcos e muita sujeira, e aqui seria o equivalente simbólico das rugas que um envelhecido Myers provavelmente ostenta.

A neta de Laurie Strode, decisiva para o desenlace da trama, aparece na última cena junto com a mãe e a avó, cansada, segurando displicentemente a faca do maníaco. O inequívoco close sugere algo parecido com Halloween 4: O Retorno de Michael Myers, quando no ato final a pequena Jamie Lloyd toma às vezes de Myers em uma cena ambígua. Um gancho a ser explorado em uma possível sequência?

A princípio, os capítulos 5 e 6 de Halloween não são diretamente mencionados. Fica a deixa caso alguém se disponha a caçar esses easter eggs.